Alguém lê meus textos?

Pesquisas indicam que a leitura em tela é 25% MAIS LENTA do que a leitura em papel. Você está criando um texto para ser lido no computador? Escreva DIFERENTE!

O que você acha deste texto?

Nebraska é cheio de atrações reconhecidas internacionalmente, que atrai grandes massas de pessoas todos os anos, sem exceções. Em 1996, alguns dos locais mais populares foram o Fort Robinson State Park (355.000 visitantes), o Scotts Bluff National Monument (132.166), o Arbor Lodge State Historical Park & Museum (100.000), o Carhenge (86.598), o Stuhr Museum of the Prairie Pioneer (60.002) e o Buffalo Bill Ranch State Historical Park (28.446).

Nem sei se você teve paciência para ler tudo. Veja uma alternativa:

Em 1996, alguns dos locais mais visitados em Nebraska foram:
• Fort Robinson State Park
• Scotts Bluff National Monument
• Arbor Lodge State Historical Park & Museum
• Carhenge
• Stuhr Museum of the Prairie Pioneer
• Buffalo Bill Ranch State Historical Park

A leitura foi muito mais fácil, não foi?

Tenho um curso que gosto muito, Webwriting – A arte de escrever para internet, onde conversamos sobre os desafios de escrever textos para sites, para e-mails e qualquer outro texto lido em tela do computador. Um dos exemplos é exatamente o texto acima. Por que ele funciona?

1. É reduzido – aproximadamente METADE das palavras do texto original;
2. É visual – em grande parte são as mesmas palavras do original, mas o layout facilita MUITO a leitura;
3. É objetivo – não tem exageros marqueteiros como “cheio de atrações reconhecidas internacionalmente” – e por isso transmite maior credibilidade.

Escrever assim é só uma questão de treino. Experimente! Comece digitando livremente, sem censuras ou barreiras. Terminou? Releia, corte palavras, mude a ordem. E – principalmente – preocupe-se com o layout. Peça para alguém ler, de preferência alguém que fique à vontade para fazer as tão necessárias críticas. Com o tempo, seus textos vão ficando cada vez melhores. Com o tempo, você os escreverá muito mais rapidamente.

Ah, o texto de exemplo que mostrei acima é um clássico de internet – não é meu, você o encontra em vários sites que estudam a legibilidade de textos em telas. Eu o adaptei para este artigo.

Será que alguém lê meus textos? Tomara que sim!

Cursos NÃO funcionam!

Em 2011 inicio meu 27º. ano de experiência em treinamentos perguntando: cursos funcionam?

– Empresa: Este ano treinamos 9999 funcionários!
– Aluno: Fiz curso de Excel Básico há 15 dias, Excel Intermediário na semana
passada e estou terminando Excel Avançado hoje!
– Professor: Tenho um curso totalmente planejado, minhas aulas seguem um
rigoroso cronograma!

É, deste jeito cursos NÃO FUNCIONAM! Em uma aula no final de dezembro passado, apresentei um dos melhores e mais desperdiçados recursos do Excel, o trabalho com nomes. Mostrei a planilha abaixo no telão e perguntei: qual fórmula de Saldo é mais clara, E1-E2 ou Receitas-Despesas?

[photopress:NomeCelula.jpg,resized,alignleft]

Felizmente Receitas-Despesas venceu por esmagadora maioria, mas alguns responderam – ou sinalizaram no rosto – que preferiam a alternativa que já conheciam, E1-E2. Esta é uma outra situação em que os cursos não funcionam, quando os participantes não estão abertos a novas ideias.

Nem estou defendendo que todos precisariam adotar a alternativa apresentada, defendo sim que um aluno deveria se permitir experimentar novas alternativas e depois de um tempo – e só depois deste tempo – decidir que jeito é melhor, o “de sempre” ou a novidade mostrada em aula.

Momento aula no blog
Atribuir nome a uma célula é muito simples:
– Selecione a célula a ser nomeada (B1, por exemplo)
– Clique na Caixa de nome na parte superior esqueda da planilha (veja a figura)
– Digite o nome desejado (Receitas neste nosso exemplo e pressione Enter

Estar em uma sala de aula, participar de um treinamento, é uma oportunidade única, um momento especial.
– Uma empresa não deve medir o sucesso de seus treinamentos pelo número de funcionários treinados, o sucesso está nos resultados apresentados pelos alunos no dia-a-dia.
– Um aluno não poderia ficar satisfeito após fazer vários cursos em sequência, é preciso um tempo de amadurecimento entre eles. É preciso praticar, assimilar, sentir e só então partir para uma nova etapa.
– Um professor precisa estar pronto para flexibilizar seus cursos SEMPRE! Cada turma é diferente da outra, tem suas necessidades específicas, os exemplos e o tempo de cada assunto obrigatoriamente varia com o público.

Quando todos, empresa, aluno e professor, estão envolvidos de corpo e alma no treinamento, o sucesso é certo. Foi o caso desta turma de dezembro passado. Quando mostrei o recurso de nomes em células, um aluno sorriu – muito – olhou para o colega do lado e disse: Sabe aquela nossa planilha de orçamentos? Nossa, nomear células vai resolver muitos problemas!

Quer resultado melhor do que uma frase como esta?

Feliz 2011!