Conheci a Sulaine. E a Adriana!

Sábado friorento de junho, lá fui eu para uma aula em uma ONG. O público seria diversificado, crianças e adultos, alguns já lidavam com informática e outros nem sabiam o que era um mouse. Um desafio!

A aula começaria às 8h30, cheguei 7h30, gosto de preparar a sala com antecedência e muita calma. Ninguém da administração havia chegado, só estava lá a … Sulaine. Tímida, quietinha em um canto, puxei conversa, soube que ela seria uma das alunas. Começamos bem, percebi um grande interesse dela no curso que viria.

Depois de muitos desacertos e acertos – projetor não funcionava direito, cortina da sala não fechava, internet não entrava (ainda bem que cheguei cedo cedo 🙂 ) – a aula começou. Em ponto! Enquanto eu falava, alguns mostravam um pouco de sono, outros claramente estavam com o pensamento longe, a Sulaine … prestava muita atenção.

Aos poucos, consegui trazer todo mundo para a aula. Os “sonados” despertaram, os distantes “chegaram” e a Sulaine … anotava tudo. O tempo todo!

De tempos em tempos eu propunha exercícios. Alguns consultavam primeiro o WhatsApp e só depois começavam a atividade; outros conferiam sua página no Facebook ao mesmo tempo em que pensavam na aula. E a Sulaine? Não só mergulhava de cabeça na atividade, como também experimentava alternativas. Se o exercício era fazer um círculo em um slide, no computador dela eu via também um quadrado, um retângulo e uma linha reta.

Mesmo fazendo tudo isso, ela ainda terminava mais cedo do que os outros. E depois, o que ela fazia? Brincar no celular? Não! Olhar para o teto esperando o tempo passar? Não! Ela ajudava os demais. Que alegria a minha quando a percebi orientando os colegas do lado.

Ao final da aula, eu a chamei para uma conversa particular e a elogiei bastante. Mesmo aqui ela não parou, mostrou ainda mais sua vontade de aprender. Estava com um pen-drive, pediu mais material do curso. Gravei não só as apostilas daquele dia, como também de vários outros treinamentos que ministro.

Você pensa que ela parou de me surpreender depois de tudo isso? Que nada! Mais no final do dia ela enviou um e-mail, agradecia a aula e avisava que já estava lendo a primeira apostila. Uau!

Alguém pode falar que muitos jovens são assim mesmo, cheios de energia. Pois então, nesta semana passada conheci a Adriana em uma empresa cliente. Mesmo não sendo exatamente uma “jovem” (rs), demonstrou exatamente o mesmo comportamento da Sulaine. Com muita atitude e determinação, fazia todos os exercícios propostos e outros que ela mesma inventava relacionados a seu trabalho. Melhor, a cada acerto, ela comemorava em voz alta contaminando a turma toda com sua alegria.

Que exemplos! A Sulaine e a Adriana deveriam ser modelos e exemplos de vida para todos nós. Já que foram a uma aula, por que não aproveitar totalmente o tempo e aprender o máximo? A vida passa rápido, temos mais é que viver intensamente cada minuto.

Elas aprenderam comigo? Certamente! Eu aprendi com elas? Demais da conta!

Ah, se alguém quiser contratar uma jovem de 26 anos cheia energia, com muita vontade de aprender e com muito talento para compartilhar conhecimentos, fale comigo e envio o currículo da Sulaine. Ela está à procura de um trabalho.

Fernando Andrade
www.pessoasetecnologia.com.br
fernando@pessoasetecnologia.com.br
(11) 9 9943-4909, 3214-0519